Museu das Toninhas

SCROLL

[

REALIZAÇÃO:

 

APOIO:

 

REALIZAÇÃO:

APOIO:

A realização do Projeto de Conservação da Toninha é uma medida compensatória estabelecida pelo Termo de Ajustamento de Conduta de responsabilidade da empresa PetroRio, conduzido pelo Ministério Público Federal – MPF/RJ.

A
NOSSA
ESTRELA

Elas são pequeninas, tímidas, raras, só vivem aqui, na costa do Atlântico Sul Ocidental – entre o Golfo San Matias, na Província de Chubut, Argentina, até Itaúnas, no Norte do Espírito Santo, Brasil. Pontoporia blainvillei é seu nome científico, mas popularmente são chamadas de toninha, franciscana, la plata dolphin e ainda, dependendo da região, de cachimbo, manico, boto-garrafa e boto-amarelo. Um dos menores cetáceos do mundo mede, aproximadamente, 1,50m e, além do pequeno porte, traz um inconfundível “bico” longo e estreito, mais de 200 dentinhos e uma coloração parda-marrom.  

Ao contrário de algumas espécies de cetáceos, não gostam de saltos, de surfe, de embarcações… Vão à superfície respirar brevemente e logo mergulham novamente. Cada imagem registrada é motivo de comemoração por pesquisadores. São fotos e vídeos feitos em sobrevoos ou com drone. E com uma boa dose de sorte, a partir de saídas de barcos, em cliques no momento exato que alguma parte do animal surge fora d’água.

 

NOME CIENTÍFICO

Pontoporia

blainvillei

EM ESPANHOL E INGLÊS

Franciscana

POR AQUI,
MAIS CONHECIDA
COMO

TONINHA

POR AQUI,
MAIS CONHECIDA
COMO

TONINHA

O
MUSEU
VIRTUAL

EXPERIÊNCIA 01

O Museu Virtual da Toninha chega pra divulgar esse tão querido animal, que figura na lista das espécies ameaçadas de extinção pelo Ibama, e na categoria “vulnerável” pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).
Aqui, você vai encontrar um mix de registros reais da espécie no mar com imagens modeladas em 3D, permitindo aproximar, “mexer”, interagir com as tímidas toninhas. Conheça a história da evolução desse animal, sua anatomia, ecologia, hábitos, reprodução, as principais ameaças e o que tem sido feito para a conservação da espécie. Tudo reunido em um lugar totalmente imaginado, à beira do oceano, com a arquitetura que reverencia a silhueta do pequeno cetáceo.

 

MAPA
DO
MUSEU

01 EVOLUÇÃODA ESPÉCIE 02 ANATOMIADA TONINHA 03 ECOLOGIA ECOMPORTAMENTO 04 REPRODUÇÃO ECRESCIMENTO 05 AMEAÇA ECONSERVAÇÃO 06 EXPERIÊNCIANO MAR

MAPA
DO
MUSEU

01 EVOLUÇÃODA ESPÉCIE 02 ANATOMIADA TONINHA 03 ECOLOGIA ECOMPORTAMENTO 04 REPRODUÇÃO ECRESCIMENTO 05 AMEAÇA ECONSERVAÇÃO 06 EXPERIÊNCIANO MAR

MERGULHO
COM
AS TONINHAS

EXPERIÊNCIA 02

O convite é um mergulho para observar as toninhas em seu habitat. A Experiência 2 – 100% virtual – reproduz os tons e elementos das águas costeiras da Baía de Ilha Grande, no Rio de Janeiro, onde uma população foi descoberta recentemente. Nessa experiência, você vai ver toninhas nadando com seus filhotes e ainda peixes e moluscos que fazem parte de sua alimentação.

CLIQUE
UMA FOTO
COM ELA

 

A brincadeira é tirar uma foto inusitada da toninha no Instagram. Pode ser em casa, na rua, no ônibus, onde você quiser! Uma realidade aumentada para divertir e ajudar a divulgar nossa estrela. Capriche no ângulo e poste, divulgando o #musedastoninhas

SOBRE
QUEM FEZ

 

O Laboratório de Mamíferos Aquáticos e Bioindicadores, da UERJ, atua na pesquisa de cetáceos desde 1992, quando um grupo de (então) estudantes fundou o Maqua. Coordenado pelos oceanógrafos José Lailson Brito Junior e Alexandre de Freitas Azevedo, hoje é referência no estudo não só de mamíferos aquáticos, como também de peixes e tartarugas, e conta com uma estrutura de laboratórios e equipamentos para saídas em campo, além de uma equipe com mais de 40 pessoas.

Recentemente (em 2020), pesquisadores do Maqua descobriram uma população de toninhas na Baía de Ilha Grande, a qual vêm acompanhando e registrando em belas imagens. E houve até o resgate de um jovem animal, que estava emaranhado em linhas de pesca no mar. A ideia do museu surgiu para aproximar a toninha do público, acreditando que o conhecimento é essencial para a conservação da espécie. O Maqua recebeu apoio do Projeto de Conservação da Toninha (TAC FRADE – PetroRio, MPF/RJ e Funbio)

 

MAQUA.COM.BR

Conheça outros grupos de estudo da espécie no Brasil, apoiados pelo Projeto Conservação das Toninhas:

Conheça outros grupos de estudo da espécie no Brasil, apoiados pelo Projeto Conservação das Toninhas:

GEMARS

Grupo de Estudos de Mamíferos Aquáticos do Rio Grande do Sul

IBJ

Instituto Baleia Jubarte

Ecomega-furg

Laboratório de Ecologia e Conservação da Megafauna Marinha da Universidade Federal do Rio Grande

GECOM-UFES

Grupo de Estudos para a Conservação de Mamíferos da UFES, São Mateus-ES.

Lec-UFPR

Laboratório de Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná

BIOPESCA

Instituto Biopesca

Projeto Toninhas-univille

Universidade da Região de Joinville

INSTITUTO ORCA

Organização Consciência Ambiental

GEMARS

Grupo de Estudos de Mamíferos Aquáticos do Rio Grande do Sul

Ecomega-furg

Laboratório de Ecologia e Conservação da Megafauna Marinha da Universidade Federal do Rio Grande

Lec-UFPR

Laboratório de Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná

Projeto Toninhas-univille

Universidade da Região de Joinville

IBJ

Instituto Baleia Jubarte

GECOM-UFES

Grupo de Estudos para a Conservação de Mamíferos da UFES, São Mateus-ES.

BIOPESCA

Instituto Biopesca

INSTITUTO ORCA

Organização Consciência Ambiental